Cine Debate 12ª CNAS

Cine Debate 12ª CNAS


Apresentação do documentário "Eu Existo" trouxe debate importante sobre população em situação de rua

 

Cine Debate 12ª Conferência Nacional de Assistência Social

Apresentação do documentário "Eu Existo" trouxe debate importante sobre a população em situação de rua

 

17 de dezembro de 2021

Na programação da manhã do terceiro dia (17) da 12ª Conferência Nacional de Assistência Social (CNAS) tivemos um debate importante sobre a população em situação de rua a partir da exibição do documentário "Eu Existo", com os convidados: Rogério Barba, diretor da Revista Traços, e Anderson Lopes Miranda, do Movimento da População de Rua. A produção é do Centro Acadêmico XI de Agosto, e toca na questão dos direitos humanos e da população de rua que vive no centro de São Paulo.

O momento, proposto pelo Cine Debate, possibilitou a escuta das manifestações e posicionamentos dos convidados pelas gestões e por todos/as/es que acompanharam a 12ª CNAS, seja presencialmente, pela plataforma ou pelo canal do Youtube. Trouxeram ao debate falas com a visão da população que vive em situação de rua e é usuária do SUAS.

Para a conselheira Magali Basile, as falas colocadas por Barba e Miranda são importantes para a reflexão das gestões, enquanto operadores da assistência, procurarem se fortalecer para entender e buscar resoluções que garantam os direitos da população em situação de rua. “Não estamos tratando de coisas, mas de pessoas. Pessoas que trazem no seu interior uma história de vida longa. Uma história de vida que precisa ser trabalhada, desenvolvida para que venha a aproveitar as oportunidades eventuais que o poder público poderia estar trazendo.”

Rogério Barba contou sobre sua trajetória de vida, de como foi abandonado na rua ao nascer e acolhido em orfanatos, da sua experiência nos equipamentos da rede em que foi atendido, da dependência e uso de drogas, da superação do período em que vivei nessa condição, e, especialmente do retrato colocado de invisibilidade à população de rua. “Eu estou quebrando essa fala de que a população de rua é invisível. A população de rua não é invisível, as pessoas que não querem enxergar. As pessoas falam que a população de rua não tem voz, mas a população de rua não é muda. Ela tem voz, as pessoas não querem escutar.”, afirmou.

Barba destacou a importância de escutar os/as usuários/as para que os equipamentos, que servem a rede socioassistencial, possam ser um lugar efetivo de acolhimento e não de cerceamento de liberdade para o público.

Anderson Miranda contou que viveu 30 anos em situação de rua e reforçou a necessidade de trabalhar a intersetorialidade entre as políticas públicas para atendimento adequado, o que envolve a responsabilidade não apenas da Assistência Social, mas de outras políticas públicas como saúde, educação, habitação e trabalho. “Hoje se você não dialogar com intersetorialidade, você não vai saber qual é a demanda e o problema dessa população.”, opinou.

O Conselheiro Beto Pereira, presidente da Organização Nacional de Cegos do Brasil (ONCB), esteve na mesa como mediador e manifestou satisfação pela escolha dos convidados, devido a propriedade das falas dentro do contexto de quem vivienciou o dia dia da condição de rua e é capaz de representar o sentimento dessas pessoas.

12ª CNAS - Cine Debate "Eu Existo"


Assista transmissão completa no Canal YouTube/CNAS: https://youtu.be/NU6WlN-tWds

 

PROGRAMAÇÃO DO DIA 17

Na começo da manhã, seguindo programação, foram transmitidas diversas apresentações culturais e depoimentos de usuários/as do SUAS que podem se vistas também no link de hoje da 12ª CNAS, disponpível no canal Youtube/CNAS.

A parte da tarde foi reservada para o fórum de votação das propostas de emendas pelos delegados/as por Eixo, realizada por meio da plataforma zoom, apenas para credenciados, sem transmissão pelo Youtube.

 

Mais informações e programação completa no Blog do CNAS.

 

 

Por Danielle Cantanhede